...

"Todo sonho é uma derrota em potencial. Para não o realizar, basta manter-se parado. - Argus Caruso Saturnino"

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Pedal Rio Quilombo, Santos - SP

Barragem do Rio Quilombo
17 /05/2009

Após um pedal durante a semana, eu e o Roger combinamos esse pedal para o Rio Quilombo no domingo (17/05), localizado na área continental de Santos, um dos lugares prediletos do Roger e que nós já tínhamos ido uma vez, a quase 2 anos atrás, mas na ocasião acabei esquecendo a máquina fotográfica.

E como já está virando costume, saímos bem cedo (06h 15min), e após uma pequena parada para um café da manhã, com direito a um tombo bem em frente a panificadora que fica próximo do prédio onde moro, que renderam risos e algumas piadinhas das pessoas que estavam no local...
E o pior é que até agora não entendi como foi que eu cai. Será que foi por que estava com sono??? Ou será que foi por que estava com fome???

Recuperado do tombo e também com a fome saciada, saímos as 06:30 em direção a Cubatão, com um maravilhoso amanhecer.

Interligação da Rod. dos Imigrantes c/ a Via Anchieta.

Parada para foto na Anchieta antes do acesso a Rod. Piaçaguera-Guarujá.
Obs. A qualidade da imagem está ruim, devido não prestado atenção e ter deixado a máquina na função vídeo, mas como queria um registro do lugar, acabei capturando a imagem no vídeo.

Quando chegamos ao acesso da Rod. Piaçaguera-Guarujá, acabamos desviando um pouco do caminho e continuamos seguindo reto em direção a serra...

Pois queria parar e contemplar melhor a vista, de um lugar que acho muito bonito e só tinha visto poucas vezes e sempre de passagem e dentro de um ônibus...


Usina Henry Borden, no pé da Serra do Mar.

Ponte estreita, sentido portaria de acesso da Usina Henry Borden.

Mais uma foto dessa grande obra da engenharia, encrustada no exuberante verde da Serra do Mar .

Torres de transmissão que contam o caminho, seguíamos sentido Caminho do Mar.

Como o Roger me disse: “Esse lugar à noite, deve parecer cenário de filme de ficção científica”.
Foto da Refinaria Presidente Bernardes – Petrobras.

Cruzeiro Quinhentista, monumento no final do Caminho do Mar ou Estrada Velha. Parada para fotos, para excluir várias fotos (o cartão de memória estava cheio, pois acabei esquecendo de eliminar várias fotos, bota foto nisso, pois o cartão é de 2GB!) e parada também para dar uma expiada no acesso ao Caminho do Mar e sonhar um pouco com a possibilidade de algum dia chegar a este lugar, mas vindo lá do alto da Serra do Mar, desejo que tenho já há alguns anos.

De volta ao caminho certo para o Rio Quilombo, cruzando o Rio Perequê.
Detalhe: um tiozinho pescando (canto direito da foto).

Quando chegamos próximo a linha férrea que cruza c/ a Rod. Piaçaguera, o Roger pediu para sairmos do trajeto p/ procurarmos um lugar/acesso, relacionado a um dos seu sonhos (subir a Serra p/ Paranapiacaba)... Então seguimos sentido ao Parque Raiz da Serra, para uma pequena exploração do local.

Vagões abandonados próximo ao Pátio Ferroviário Raiz da Serra.


Rio Mogi, próximo ao Patio Ferroviário Raiz da Serra.

Depois da exploração, voltamos ao nosso caminho novamente... Aqui estávamos cruzando por baixo da Rod. Piaçaguera, no trecho que ela passa ao lado do meu antigo local de trabalho (antiga Cosipa, hoje Usiminas).

Saindo da Rod. Piaçaguera, agora seriam 8km, mato a dentro, pelo vale do Rio Quilombo, até o nosso objetivo.

O Sol iluminava forte o nosso caminho vale a dentro...

Sempre rodeado de muito verde e com algumas casas bem simples e pequenas propriedades rurais e até alguns pequenos bares.

No trecho inicial da estradinha estava com muitas poças e lama, devido as chuvas de sexta-feira.

Seguíamos vale a dentro com muito Sol, mas com uma temperatura bem agradável e ao fundo os belos contornos da Serra do Mar.

Neste passeio o Roger estreou o alforge pequeno, que tinha comprado a alguns dias na Decathlon.

Um dos pequenos riachos com águas cristalinas que cortam o caminho até a barragem do Rio Quilombo, é que não falta nesse trecho próximo a Serra do Mar.

Calma Roger!!! Não faça isso, por favor não se jogue!!!
Rsrsrs

Rio Pilões que nos acompanhava por um bom trecho dessa estradinha e só conseguimos escutar o barulho das suas águas, devido a vegetação estar muito alta, o que impedia a visão do mesmo... Obs. Para tirar essa foto, tive que me enfiar uns 3 metros mato a dentro e me esticar todo para conseguir essa visão, depois disso foi um coça coça por alguns minutos, mas valeu pela foto.

A minha “Dama de Vermelho” ao lado da “Ponte do Rio Que Cai”, quem se habilita a atravessar a mesma??? Para os corajosos, vou logo dizendo que estão faltando algumas tábuas e algumas das que ainda estão lá, estão podres e com limo!

Pelo rio é bem mais legal e menos perigoso do que pela ponte...
Fotos durante a travessia do Rio Quilombo, mas o nosso destino era um pouco mais a frente, em outro trecho deste mesmo rio...


Agora sim, na barragem construída pela Cosipa para captação de água do Rio Quilombo.

Roger o anfíbio, não via a hora de entrar na água...

Mas o 1º a colocar os pés na água, foi eu... E a 1ª frase foi “Geladaaaaaaaaa”...
Acho que foram uns 5 minutos até os pés acostumarem com a temperatura da água...

Ai lembrei do meu relógio que mede a temperatura e logo verifiquei a temperatura ambiente (28,2ºC) e depois tirei o mesmo do pulso e o coloquei na água para conferir o quanto a mesma estava gelada...

Bike-Cabide ao lado da barragem, com tudo pendurado nelas.

Antes de mergulhar o relógio na água, disse ao Roger que a temperatura da água devia estar em 12ºC, e alguns minutos depois veio o resultado... 10,7ºC, até que errei por pouco.

Roger o anfíbio nas águas geladas do Rio Quilombo, mostrando todas as suas habilidades aquáticas.
Antes de saber a temperatura da água, já não estava com muita vontade de entrar no rio, depois de saber então, a vontade sumiu de vez...

Eis que fui ajeitar as bikes que estavam à beira da barragem, e na volta enquanto olhava para trás para conferir se elas continuavam firmes onde as ajeitei, e ao mesmo tempo caminhava sobre a barragem, acabei pisando em falso, ainda tentei me equilibrar desesperadamente, mas acabei caindo dentro d'água...
Segundo tombo do dia, mas dessa vez amortecido pela água geladaaaaaa.

Se despedindo das águas cristalinas do Quilombo.

Voltando pela trilha... Depois de alguns minutos aproveitando a natureza, chegou a hora de retornarmos a nossa caótica civilização.

Foto com efeitos especiais, ou seriam defeitos especiais??? Durante a volta pela trilha.

Minha companheira de pedal, que durante a volta se queixou sobre a falta de lubrificação, através de alguns rangidos... Que foi prontamente atendida no dia seguinte.
Parada no Ducha Bike, que fica as margens da Rod. Piaçaguera... Foi a hora de tirar a lama da trilha, pois chegar no apto com ela suja, seria bronca na certa!!!

Pátio de manobras que fica próximo a Usiminas (antiga Cosipa), visto do viaduto na Rod. Piaçaguera.

Av. Nove de Abril, centro de Cubatão.


Rod. dos Imigrantes, vista de cima do viaduto estaiado.

Viaduto estaiado Mário Covas.

Zona Noroeste e morros de Santos, vistos da ponte sobre o Rio Casqueiro (divisa de municípios Cubatão / São Vicente).

Rio Casqueiro.
Agora era só esperar mais uma semana passar, para chagar mais um final de semana e se Deus quiser teremos a oportunidade de realizar mais passeio de bike aqui pela região.


Mapa do passeio:


Números finais:
                         - 76 Km de pedal. (aproximadamente 5h 30min de pedal)
             Baixas:
                         - Nenhuma.
        Acidentes:
                         - O1 pequeno tombo, que tomei antes de iniciarmos o passeio.

Um comentário:

  1. Emfim descobri alguém da baixada que curte cicloturismo!

    Parabéns espero que possamos fazer uma cicloaventura juntos!

    Belo passeio estaremos realizando a trilha do quilombo em breve.

    Sds,
    Souza
    forasteirodabike.blogspot

    ResponderExcluir