...

"Todo sonho é uma derrota em potencial. Para não o realizar, basta manter-se parado. - Argus Caruso Saturnino"

domingo, 29 de agosto de 2010

São Vicente - Ilhabela (1º dia)

São Vicente a Praia de Camburi.
12 de Julho de 2009

Essa viagem foi a realização de um sonho que nasceu a aproximadamente dois anos e meio e foi crescendo com o passar do tempo e a cada pedal realizado; sozinho, acompanhado pelo Roger ou por outros amigo. Boa parte da programação da viagem estava guardada no meu computador, pesquisa dos lugares por onde passaríamos, atrativos naturais e possíveis hospedagens (fotos, sites e arquivos de texto), mapas com possíveis desvios e rotas alternativas...

E após uma longa espera para realizar este sonho de viajar de bicicleta, apareceu a oportunidade, e comentei com o meu grande amigo Roger, que topou a aventura, ainda mais que essa viagem representaria para ele concluir parte de seu sonho, viajar de bike até Parati.
Então foram mais algumas semanas de preparação, pedalando, pesquisando preços (hospedagem e ônibus), revisando os mapas, consultando as previsões do tempo, revisão da bike resultando na substituição do grupo Altus que estava bem gasto por um Alivio novinho, colocação do bagageiro e bauleto. E o mais complicado foi o alvará para viagem com a minha esposa, o que resultou no adiamento da viagem em mais uma semana. Ficando definido para os dias 12,13 e 14 de Julho), faltando menos de uma semana o friozinho na barriga e a expectativa ia aumentando conforme se aproximava a data da viagem.
No sábado 11 de Julho (véspera da viagem), choveu forte quase o dia inteiro, só parando por completo a noite, após a trégua da chuva houve uma forte ventania durante a madrugada do domingo.
Devido a chuva, no sábado consultei por várias vezes durante o dia, quatro sites de previsão de tempo e todos diziam que haveria pancadas na manhã do domingo (1 a 3 mm), o que me deixou um pouco mais tranquilo, pois não pegaríamos uma chuva como a de sábado.
Acabei indo dormir bem tarde, por volta das 2 horas da manhã, devido a uma visita em família a casa do meu irmão, e também a arrumação da bagagem que levaria na viagem.
Programei o despertador para as 05h 40min, vinte minutos antes do horário combinado com o Roger, e acordei muito bem disposto mesmo c/ as poucas horas de sono, e fui na janela para ver como estava o tempo e para a minha felicidade não estava chovendo, o asfalto da rua estava bem seco.
Troquei de roupa, montei o baú na bike, apanhei um pouco para fechar o mesmo, por excesso de bagagem, e tratei de pedalar p/ a casa do Roger onde partiríamos para a nossa aventura.

Cheguei quase 15 minutos atrasado e o Roger já me aguardava na frente do prédio. Pose para foto antes da partida e foto das bikes “cargueiras”, prontas p/ a viagem.


E as 06:25 iniciamos a viagem para Ilhabela, ainda um pouco escuro, seguindo pelas ciclovias da
Linha Amarela, da Praia do Itararé em São Vicente e logo estavamos na Ciclovia em Santos, com o dia clareando e bem nublado.

O mar ainda estava um pouco virado, devido aos fortes ventos da madrugada e pela ressaca, causando
estragos na cobertura do Pier do Chopp na Ponta da Praia.


Durante a travessia da balsa para o Guarujá, uma visão que nos animou mais ainda, criando a expectativa que o tempo ia nos ajudar. A temperatura estava bem agradável para pedalar (15ºC) pelo menos para mim, pois o Roger estava achando um pouco frio.

Como já tínhamos feito alguns passeios antes pelas praias de Pitangueiras e Enseada, acabamos cortando caminho pela Avenida Dom Pedro I e Ruas Des. Plínio de Carvalho Pinto e Áureo Guenaga de Castro...

Seguindo direto para a Estrada do Pernambuco ou Guarujá-Bertioga, com muita luz!

Praia do Perequê – Guarujá.

Ainda me adaptando com o bauleto, que muda bastante a dirigibilidade da bicicleta, pois nunca tinha usado o mesmo...

Parada em frente ao Restaurante do Joca para arrumar a fixação do bagageiro no canote do banco, pois tinha montado o calço plástico na posição invertida, e com a trepidação e o peso da bagagem acabava escapando e afrouxando, criando um balanço no bagageiro.

Pier em frente ao Restaurante do Joca, onde quase destruí a minha antiga máquina fotográfica no pedal que nós fizemos para a Praia de São Pedro há dois anos e meio, quando pulei o portão do pier...

Problema do bagageiro resolvido e prontos para continuar a viagem.


Vamo que vamo! Roger ainda com o agasalho, faltando pouco para chegar na balsa para Bertioga.



Travessia da balsa Guarujá-Bertioga...
Roger meditando ou cochilando por alguns segundos.


Chegando em Bertioga com 45 de pedal e mais 60 Km até o destino final do 1º dia de viagem.
E o tempo estava bem nublado, com nuvem escuras, e a dúvida pairava no ar... Será que íamos pegar chuva?

+ informações sobre Bertioga: http://pt.wikipedia.org/wiki/Bertioga


Calçadão entre a balsa e o Forte São João, Bertioga.

Parque dos Tupiniquins e Forte São João ou antigo Fortim de São Tiago.

+ informações sobre o Forte São João:

Após uma rápida passagem pelo Forte São João e Pq. dos Tupiniquins, seguimos viagem pelas Avenidas Anchieta e Dezenove de Maio, sentido Rodovia Rio- Santos.

Finalmente na Rio-Santos, considerada uma das estradas mais bonita do Brasil, e que possuí vários condomínios de luxo as suas margens...

Como este que possui um moai, estátua semelhante as que exitem na Ilha de Pascoa...

+ informações sobre a Rio-Santos: http://pt.wikipedia.org/wiki/Rio-Santos

Roger com raiva e tentando arrancar a placa! Brincadeirinha, não gostamos dela, mas nunca iríamos arranca-la de lá.

E poucos metros mais a frente da placa proibindo o trânsito de bicicletas, veio essa que mandava os ciclistas utilizar o acostamento da pista oposta... Mas não era proibido o trânsito de bicicletas??? E agora podia e ainda por cima na contra mão!!!

A Rio-Santos em Bertioga, praticamente é composto por intermináveis retas.

E em uma dessas retas, fizemos um pit stop para um lanchinho, pois sai de casa sem tomar café e a fome já apertava, mas sem exagerar pois ainda teríamos quase 50 km pela frente e não gosto de pedalar com o estômago cheio.

Fim do lanche e de volta a estrada, olhando de onde viemos, e a imponente Serra do Mar ao fundo.


Rio Itaguaré, Bertioga.

Ao chegarmos neste local (foto acima), olhando para direita encontrei um acesso a Praia de Itaguaré, tinha um portão trancado com cadeado e uma placa da Petrobras, mas ao lado do portão tinha passagem para pedestres...

+ informações sobre Petrobras: http://pt.wikipedia.org/wiki/Petrobras

Então seguimos por esse acesso a praia...


Praia de Itaguaré.
A intenção era de irmos até a foz do Rio Itaguaré, mas teríamos que voltar um bom trecho pela praia, então desistimos e continuamos o nosso caminho para São Sebastião.

Seguindo pela praia até um condomínio fechado, que nos levou de volta a Rio-Santos, um pouco a frente daquela pequena subida onde saímos da estrada para a praia.

Rio Guaratuba, Bertioga


Praia de Boracéia, Rio Parateus que é a divisa entre Bertioga e São Sebastião.

+ informações sobre São Sebastião:

Saída para Bora Bora e foi por lá que fomos emBora, e saímos da Rio-Santos, esse foi o primeiro de cinco desvios saindo da Rio-Santos que tinha programado. Porém só duas deram certo e conseguimos fazer na integra...


Foram alguns quilômetros em estradinha de terra bem ondulada, e bota ondulada nisso!!! Com um pouco de lama da chuva do dia anterior...

Roger não falou nada p/ mim, mas com certeza pensou coisas como “Onde ele enfiou a gente?”, “que roubada é essa” e “deveríamos ter continuado na Rio-Santos”.

Simples mas bela igreja em Barra do Una, parecia até fazer parte de uma cidade cenográfica de novela.

Rio Una próximo a praia.



Praia Barra do Una - São Sebastião.
Fizemos a segunda parada para lanche (dois pacotes de Club Social), contemplando essa bela praia!



De volta ao pedal, cruzamos o Rio Una e seguimos paralelo a ele por um pequeno trecho...

E não demorou muito e logo encontramos a primeira subida acentuada da viagem, e com peso extra que levávamos não teve jeito, tivemos que empurrar.

Depois de empurrarmos as bikes, as belas vistas de...

Barra do Una
e

Juqueí

Rua em Juqueí, São Sebastião.

Atravessando o Rio Juqueí, e logo a frente mais uma subida que nos levou novamente a Rio-Santos, onde empurramos as bikes mais um pouco.


As vezes olhando fotos de subidas, elas não parecem ser muito inclinadas como são na real...
Mas olhando fotos da vista lá de cima, ai sim temos a real noção de quanto subimos.

Rio-Santos próximo a Praia Preta, seguimos pela estrada até Barra do Sahy, c/ “hy” mesmo, é como esta escrito na placa na estrada e também no site da Prefeitura de São Sebastião.


Rio Sahy e de volta a terra.

Praia da Baleia, estávamos bem próximos de Camburi, local onde encerraríamos o primeiro dia de viagem...

Estrada do Camburi a poucos metros da pousada, eram 15h 40min e a essa altura estava com pressa de chegar na pousada para assistir o jogo do meu Tricolor (Paulista) contra o Flamengo pelo Campeonato Brasileiro, que se iniciaria em 20 minutos.

Para os curiosos, o link com os melhores momentos do jogo:
http://www.youtube.com/watch?v=14PYvBFtxVk&feature=related

Camping Camburi, que possui alguns pequenos e simples chales foi local escolhido para o merecido descanso para segundo dia de viagem, que prometia com fortes subidas e belas paisagens.

+ informações sobre o Camping Camburi: http://campingcamburi.com.br/

Mapa da viagem - 1º dia:


Números do 1º dia:

- 105 Km de pedal.

- 7h 06min de pedal e 9h 20min de tempo total.

- Nenhuma baixa.

- 285 fotos.

- Gasto de +-R$ 50,00 (Alimentação e hospedagem).