...

"Todo sonho é uma derrota em potencial. Para não o realizar, basta manter-se parado. - Argus Caruso Saturnino"

domingo, 23 de maio de 2010

Rack caseiro para transportar bikes

Faltava um dia para o feriado e estava de folga no serviço e pretendia ir a Curitiba, visitar amigos e familiares da minha esposa e pretendia levar a bike nova, mas tinha um problema a resolver!!! Não tinha nenhum rack para transporta-la e também não tinha dinheiro para comprar um, pois tinha gastado na montagem da bike. Botei o cérebro para funcionar e tive uma idéia de confeccionar um rack caseiro.


Rascunho e esboço do rack, feitos no papel e no computador, bem tosco e mal feitos mas serviram muito!

Com o esboço feito num papel, fui a casa do meu pai para pedir uma opinião do rack e também para pedir ao mesmo que me ajudasse a confeccionar.

Após uma conversa onde surgiram algumas alterações no projeto, tratei de ir atrás das peças necessária para confecção do rack. Numa serralheria, consegui um pedaço de calha de portão e algumas outras sobras de alumínio, as barras com rosca e porcas e arruelas comprei numa loja especializada, as tiras de nylon foram compradas numa loja de artesanato/costura e as tiras c/ mordedores tipo jacaré (usadas para transportar pranchas de surf no teto do carro) comprei numa loja de surf. No total não gastei nem R$ 60,00.

Com tudo comprado... Mãos a obra!!! Iniciamos a confecção que levou algumas horas, mas o resultado foi excelente, ficou do jeito que esperava.

Posto Buenos Aires na Rodovia Régis Bittencourt a caminho de Curitiba.

Após a viagem, fiz o acabamento do rack (pintura e a colocação de adesivos refletivos 3M)
 Bar da Lú, Caminho do Mar.

Montar outra bike, essa era a minha prioridade.

2004 / 2005...


Com o passar dos meses e dos quilômetros percorridos, sentia a necessidade de uma bicicleta melhor e mais confiável.

Então em outubro de 2005 resolvi montar uma like para substituir a Wandy e fui comprando peça por peça,... Comprei muitas peças pela internet (lojas e Mercado Livre) e algumas em quatro lojas / bicicletárias da região, sempre pesquisando muito para procurar o menor preço.

Mas devido a meu pouco conhecimento na época, acabei cometendo alguns erros na escolha de algumas peças (quadro, suspensão, etc). Fora o dinheiro que estava justo e limitou na escolha de algumas peças.

A minha primeira aquisição foi o quadro: GTS FSR XR (usado), comprado por puro impulso no Mercado Livre, o danado é muito lindo, mas também é muito pesado! A suspensão foi a Zoom Gordo 620, pior impossível !!!
 Imagens do anuncio no Mercado Livre

Quadro e suspensão 2 dias antes da montagem da bike.

Faltando dois dias para o feriado de 15 de novembro, levei todas as peças para um amigo, que na época tinha uma pequena bicicletária, para monta-la.

GTS FSR XR logo após a  montagem...

Na época da montagem achei que os paralamas chamavam muito a atenção e resolvi tira-los.

sábado, 8 de maio de 2010

Tomando uma atitude contra o sedentarismo e o reinício

Setembro de 2004...

Acabara de completar 28 anos de vida, casado a 6 anos e com uma filhinha de 3 anos e sedentário a pelo menos uns 13 anos (desde a época do Senai).

Resolvi tomar uma atitude para tentar melhorar a minha saúde e perder uns quilos. Pois bastava um apagão e não poder usar o elevador e subir 5 andares viravam um verdadeiro sacrifício, vencido com a linguá de fora.

Botei a cabeça a pensar... Academia “não”, nunca gostei, ficar num lugar fechado se exercitando não é comigo... Correr “não” com o meu excesso de peso, provavelmente meu joelho não iria aguentar... Bicicleta sim! Como não pensei nisso antes???

Pois desde criança sempre gostei muito de andar de bicicleta, tanto que com menos de 5 anos de idade já dava um jeito de andar numa bicicleta aro 26” do meu pai e até descia uma ladeira próximo de casa. Essa paixão durou até os meus 15 anos, quando acabei entrando no Senai e inexplicavelmente parei de andar de bicicleta, assim como parei de jogar bola, tênis e acabei virando um sedentário.

Então depois de 13 anos, tinha que recomeçar quase que do zero, pois só tinha a vontade e não precisaria aprender a andar, pois já sabia e quem sabe nunca desaprende! Então tinha que comprar uma bicicleta nova e a grana andava curta, muito curta mesmo!!! Só tinha apenas R$ 150,00 e sabia que não ia dar para comprar uma bike razoável, mas também não queria adiar a compra, pois poderia acabar resultando em não acabar com o meu sedentarismo!

Então fui na Bicicletaria que fica em baixo do prédio onde morava e escolhi a bike que estava ao meu alcance, uma Wendy Bike por R$ 149,00... Era ruizinha de tudo, pneus de marca desconhecida e que não duraram nem 600 km e ficaram todos rachados e foram substituídos por Pirelli Slick 2,0” pois eram baratos e duráveis, banco duro e desconfortáveis, ainda mais para quem estava recomeçando a pedalar e ainda faltava muito para ficar calejado!

Mas mesmo com todos os defeitos e problemas que essa bike tinha, a vontade de pedalar era maior e lá ia eu pedalando 10, 15, 20... 30Km por dia.

Ao mesmo tempo que ia pegando gosto pela coisa, acabei conhecendo alguns sites na internet que só vieram a me dar mais vontade de ir cada vez mais longe, entre eles:

www.pedal.com.br e a comunidade de Cicloturismo no Orkut: http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=24521

E após alguns meses pedalando, resolvi pedalar até Bertioga que fica a 45km de onde morava, totalizando 90km (ida e volta), nada de mais hoje em dia, mas para a época era muito, ainda mais que só estava acostumado a andar no máximo 30 km, e na época não tinha costume de andar com camara sobressalente e nem ferramentas, fui na cara e na coragem, se furasse um pneu, dependendo de onde fosse, iria cansar de empurrar a bike até encontrar uma bicicletaria ou borracharia. Mas graças a Deus isso não aconteceu e o passeio foi bem tranqüilo, com dia ensolarado e bonito e não senti muito a distancia percorrida.

Algumas fotos do passeio São Vicente – Bertioga  (Ida e volta - 90 km)