...

"Todo sonho é uma derrota em potencial. Para não o realizar, basta manter-se parado. - Argus Caruso Saturnino"

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Simul“Audax” 200

São Vicente – Pedro de Toledo – São Vicente
31/10/2007

Nas minhas buscas pela internet, sobre ciclismo, cicloturismo e tudo sobre o mundo das bikes, descobri o Audax: um evento ciclístico não competitivo, que visa o desafio pessoal. E assim que comecei a ler sobre o mesmo, e os brevets para poder participar dos outros eventos maiores, fiquei louco para participar do Audax 200 e quem sabe arriscar um 300.

+ informações Audax: http://pt.wikipedia.org/wiki/Audax

O máximo que eu tinha pedalado em um único dia era 113 Km, no pedal de Mogi das Cruzes a São Vicente, então precisava de um teste para ver como me sairia pedalando 200 km.

Ao comentar com amigos e familiares sobre a vontade de participar de um evento, onde teria que pedalar 200 Km, os comentários eram sempre:

Você é doido, pedalar tudo isso! ou  Você não vai conseguir!

Já estava doido para simular um Audax 200, e os comentários me deixaram com mais vontade de sair pedalando e completar os 200 Km, e mostrar que estavam errados!

Mas faltava estabelecer um percurso, de início pensei em ir para o litoral norte, pela Anchieta, Piaçaguera-Guarujá e Rio-Santos até completar 100 km, e depois retornar pelo mesmo caminho, mas depois tracei um percurso no bikely.com  para o litoral sul, pela Rod. Padre Manoel da Nóbrega até o trevo de Pedro de Toledo, distante exatamente 100 km de onde moro, esse seria o ponto de retorno do meu “SimulAudax”, esse me pareceu um trajeto mais seguro e tranqüilo do que ir para o litoral norte.

Então comecei os preparativos para o SimulAudax, conversei com algumas pessoas sobre o que poderia usar, para repor as energias gastas durante esse pedal de longa duração, me aconselharam ingerir maltodextrina durante o pedal, aos poucos “um a dois goles” com o intervalo de 30 a 45 minutos.

+ informações maltodextrina: http://pt.wikipedia.org/wiki/Maltodextrina

Então me programei para a próxima folga do serviço e fiquei de olho na previsão do tempo, pois não queria outros desafios além da distancia que teria que percorrer, e para a minha sorte o tempo estaria excelente durante a minha folga.

Comprei a maltodextrina sabor tangerina, preparei a mesma na noite anterior ao SimulAudax e coloquei em duas caramanholas, que deixei no congelador, junto com o reservatório d'água de 3 litros, também separei quatro bananas e três barrinhas de cereal.

Acordei bem cedo e as 06:00 da manhã, e com tudo pronto saí para o meu SimulAudax, prevendo conclui-lo por volta as 18 / 19h da noite, mas antes de escurecer, pois era horário de verão.

Início do pedal, amanhecendo em São Vicente.

Ainda no início, atravessando a Ponte Pênsil.

Como o meu objetivo principal era pedalar os 200 km em menos de 13h 30min, tempo máximo para conseguir o brevet 200, não me preocupei muito em tirar fotos no início do pedal, principalmente no
trecho Praia Grande – Mongaguá, onde tinha feito um pedal a poucos dias atrás junto com Roger.

Rodovia Padre Manoel da Nóbrega, Itanhaém.

A essa altura já tinha pedalado 50 km, e mantinha uma média de 20 km/h, ruim para muita gente, mas boa para mim!

Divisa Itanhaém – Peruíbe.

Próximo ao acesso de Peruíbe e também do fim da pista duplicada, 80 km pedalados.

Placa que todos ciclistas gostam de ver!

Pista simples, mas ainda com um acostamento razoável.
Longas e intermináveis retas marcam o caminho para Pedro de Toledo.

Um mar de bananeiras!!! No trecho entre Peruíbe e Itariri.

Pausa de 10 minutoss para esticar as pernas e fazer um pequeno lanchinho, +- 90 km pedalados, a essa altura não agüentava mais tomar a maltodextrina, já estava enjoado dela!!!

Chegando a Itariri, faltava apenas 7 km para Pedro de Toledo.

O acostamento era precário, mas foi onde optei pedalar, pois era muito arriscado andar no bordo da pista, devido o grande fluxo de caminhões.

Posto da Polícia Florestal, entre Itariri e Pedro de Toledo.


Rio do Peixe, que fica a poucos metros do...

 Trevo de Pedro de Toledo, 100 km de pedal.

Cheguei ao ponto de retorno com 5 h de pedal (média de 20 km/h) e 5h 10min de tempo total.

Me sentia bem e muito confiante, não aparentava estar cansado, fiquei uns cinco minutos no trevo, onde liguei para um amigo meu, que sempre que podia viajava de carro para Pedro de Toledo,  e também liguei para minha esposa, para avisar que estava tudo bem.

Longo retão na Rod. Padre Manoel da Nóbrega, e rio não lembro qual, durante a volta.

No trevo em Pedro de Toledo, joguei fora a maltodextrina, pois como disse antes, não agüentava mais tomar a mesma, e na volta optei só me hidratar com água.

Coincidência ou não, a partir dos 115 km pedalados, comecei a me sentir cansado e não consegui mais manter o ritmo e também tive uns princípios de caibras e um certo incomodo de pedalar sentado, a bunda já estava quebrada! Ainda não tinha me acostumado direito com o selim que estava na bike, pois vinha usando o mesmo a poucos tempo.

Olha a minha cara de animo! Aqui já estava com 130 km pedalados e com todos os problemas descritos acima, e mais duas paradas não programadas. A primeira devido as caibras, onde aproveitei para alongar um pouco e também para comer as bananas que tinha levado e a  a segunda em Peruíbe para comprar mais água para beber.

Detalhe da tabela para saber quanto estaria adiantado ou atrasado em relação a média de 15 km/h para completar o Audax no tempo limite.
134,2 km pedalados e a última foto do SimulAudax, pois não tive mais animo para tirar fotos!!!

Deste ponto em diante, fiz mais cinco paradas para descansar e me alongar, a primeira em Itanhaém, a segunda num pontos de ônibus a beira da rodovia entre Itanhaém – Mongaguá, a terceira num posto de gasolina na entrada de Mongaguá, onde comprei umas barrinhas de banana cristalizada e mais água para beber, e a última no posto de gasolina que fica ao lado do Makro na Praia Grande, faltando apenas 5 km para concluir o SimulAudax, onde comprei um sorvete para refrescar, pois estava pedalando o tempo todo com muito sol e calor.

De Peruíbe a até chegar em São Vicente, foi o trecho mais complicado para mim, foram os 80 Km finais, onde a cada parada, a cada Km pedalado, o ritmo de pedal ia diminuindo cada vez mais, e quanto mais próximo do objetivo, mais ia me arrastandos!!! E algumas vezes cheguei a pensar: “Por que estou fazendo isso? Acho que vou desistir”, mas acabava lembrando do que as pessoas próximas a mim tinham dito, sobre não conseguir concluir os 200 km, e isso servia de incentivo a continuar pedalando e seguindo em frente.

Na ciclovia da Via Expressa Sul em Praia Grande, a coisa estava tão feia, que teve uma criança que devia ter 5 ou 6 anos de idade, com uma bicicleta aro 14, que me deixou comendo poeira!!! Foi quando a minha esposa me ligou, para saber onde eu estava e se estava bem. Disse a ela que só faltava 16 Km, e que logo chegaria em casa, mas estava tão lento (uns 12 a 14 Km/h), que ela chegou a me ligar mais uma vez preocupada com a minha demora, estava na Ponte Pênsil (menos de 2 Km de casa), e logo acabei hegando em casa, eram 18h 25min, todo moído (dor nas pernas, nos braço, nas costas e em tudo quanto é lugar), mas com uma sensação de dever cumprido!!!

Deitei no chão por uns 15 minutos, e depois tomei um merecido banho demorado, para depois me jogar no sofá e devorar quase uma pizza inteira, vendo televisão e contando tudo o que tinha acontecido durante esse pedal para a minha esposa, esperando a hora passar para o “grand finale” do dia, o jogo do meu tricolor, que se sagrou Penta Campeão Brasileiro na mesma noite, ganhando do América-RN por 3 a 0...

O cansaço foi tanto, que acabei mais dormindo, do que assistindo o jogo, praticamente só acordava quando saia os gols.

No dia seguinte duplamente feliz, por ter completado os 200 Km e pelo Penta Campeonato Brasileiro, comecei a analisar alguns erros que tinha cometido...

- Levar a mochila com quase 4 kg nas costas por tantos kms, coisa que não faço mais!

- Ter feito a primeira metade do pedal com média de 20 km/h, poderia ter me poupado um pouco mais para a segunda metade, e ter feito uma média de 18 km/h, que era um ritmo que estava mais habituado na época.

- Deveria ter utilizado a maltodextrina com um intervalo bem maior, para ter engerido a mesma também na
   volta, quando mais precisei.

- E com certeza faltou alguns treinos mais longos, para me preparar melhor para essa distância.

Apesar de ter completado os 200 km, o simulAudax, serviu para saber que precisaria aumentar mais os meus treinos e me preparar melhor, ainda mais que o relevo desse percurso é bem plano e não exige muito, diferente dos percursos onde são realizados os eventos Audax.

Mapa do SimulAudax 200 (São Vicente – Pedro de Toledo – São Vicente):


Números finais do SimulAudax:
                                                 202 Km de pedal
                                                 12h e 25min (tempo total)
                  Nenhuma baixa. (obs. só o ciclista que ficou quebrado)


+ informações Campeonato Brasileiro 2007:

+ informações São Paulo Fubetol Clube: http://www.saopaulofc.net/

Nenhum comentário:

Postar um comentário