...

"Todo sonho é uma derrota em potencial. Para não o realizar, basta manter-se parado. - Argus Caruso Saturnino"

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Pedal Rio Jurubatuba

Pedal Rio Jurubatuba
04/03/2007

Não teve jeito, fui contaminado pelo “vírus do pedal”, que tomou conta de mim... Então comecei a procurar antídotos na internet, lugares para pedalar e pessoas da região, que também gostem de pedalar.

Nessa busca, acabei encontrando o blog “Domingo na Bike”, que pertence ao Fernando, trocamos algumas mensagens e após algumas semanas, apareceu a oportunidade de participar de um passeio com ele e seus amigos, para o Rio Jurubatuba na área continental de Santos.

No período em que troquei mensagens com o Fernando, acabei trocando mensagens também com o Roger, que acabei conhecendo no Orkut. E convidei o Roger para ir junto com o pessoal do Domingo na Bike.

O ponto de encontro do passeio era o ferry boat (Santos - Guarujá) as 07:00 da manhã. Como o Róger também morava em São Vicente, menos de 10min da minha casa e caminho para o ponto de encontro, combinamos que o nosso ponto de encontro seria na Av. Presidente Wilson, próximo a praia as 06:15 da manhã, para dar tempo suficiente de chegarmos ao ferry boat no horário combinado.

Então chegou o dia do passeio, acordei por volta das 05:30 da manhã e me aprontei para o passeio, cheguei no local combinado com o Roger as 06:10 e não o vi, fiquei esperando até as 06:25 e não o vi, então resolvi partir em direção ao ferry boat para não chegar atrasado no ponto de encontro combinado com o Fernando.

Pessoas caminhando bem cedinho na praia, o Sol ainda mal tinha aparecido.
Ao fundo a Ilha Porchat - São Vicente (esquerda) e a Ilha de Urubuqueçaba – Santos (direita)

Cheguei ao ferry boat com alguns minutos de antecedência, e alguns pessoas já estavam lá, o Fernando chegou logo em seguida junto com o seu Irmão, mas a maioria demoraram quase 20 minutos a mais para chegar. (Foto: Fernando).

Com o pessoal todo reunido, entramos no ferry boat para o Guarujá.

O tempo estava meio fechado, e não prometia muito.

Pessoal pedalando animado na Av. Ademar de Barros.

E o grupo seguia num ritmo bom na Rodovia Piaçaguera-Guarujá, até...

Furar um pneu, então todos pararam enquanto era substituída a câmara de ar. E a troca estava meio enrolada e demorou um pouco mais de 10 minutos, nisso apareceu uma pessoa pedalando no nosso sentido e parou junto ao Fernando e começaram a conversar, pois já se conheciam...

Disse a ele que tinha combinado na intenet, de pedalar uma pessoa que se chama Vinícius, e que não tinha aparecido no local e hora combinados, e que tinha ficado esperando por vários minutos além do combinado, por isso não conseguiu chegar no ferry boat no horário do passeio... Foi quando o Fernando me chamou e disse ao Roger, foi esse cara que te deu o cano!!! E todos demos risadas e conversamos sobre o nosso desencontro.

Sorte que o Roger conhecia parte do caminho que seria feito neste passeio, e resolveu sair em busca do grupo, e o pneu furado e a demora para reparar o mesmo, possibilitou o nosso encontro.

Pneu consertado, então seguimos pela rodovia. (Foto: Fernando) 

Após passarmos pelo acesso a Rodovia Rio-Santos e pelo pedágio, chegamos a uma estradinha de terra que fica antes do início da Serra do Quilombo, e foi por lá que continuamos a pedalar, a essa altura com muito Sol, bem diferente da hora que iniciamos o passeio.

(Foto Fernando)

Nessa estradinha passamos por um portão que estava aberto, e logo chegamos numa estação de captação de água, onde paramos para matarmos a sede e repor as reservas d'água.

Congestionamento na trilha!

Que em alguns trechos se tornava larga...

E em outros se tornava um single track, com muitas pedras soltas e raizes de árvores, que dificultava pedalar.

E também tinham algumas subidas, onde alguns empurraram a bike.

Mutirão para atravessar riacho.

Mais subidas e outro riacho.

Tanto esforço e dificuldades para chegar aonde???



  Ao verdeiro paraíso!!!

Escondido em meio a mata atlântica, como o Fernando escreveu em seu blog “Escondido no meio da mata, parece até o refúgio do pirata!”

Eu e o Roger antes de iniciarmos a volta.
Parecia até que eramos do mesmo time, pois estávamos de vermelho, pura coincidência, não tínhamos combinado. (Foto: Fernando)

Dando adeus ao paraíso.

Tá rindo do que??? Você vai se machucar em dois minutos! Rs... (texto do blog do Fernando).

(Foto: Fernando)
No início do nosso retorno, na trilha com muitas pedras soltas, o Fernando acabou caindo e o resultado foi: duas coroas do pedivela na perna.

Um dos dois riachos da trilha (volta).

Eu seguindo o pessoal por último na trilha.

De volta ao asfalto.

Ao chegarmos na Rodovia Piaçaguera-Guarujá, um dos participantes do passeio começou a sentir câimbras e a passar mau, com isso tivemos que fazer algumas paradas, e também tivemos que diminuir bastante o ritmo do pedal, para não deixa-lo sozinho. O que acabou causando a divisão do grupo, pois alguns menos pacientes e com medo de passar num ritmo mais lento pelo bairro de Vicente Carvalho (onde existe alguns relatos de roubo de bicicletas), acabaram nos deixando para trás.

Ponte sem acostamento, antes de Vicente de Carvalho.

Só voltamos a reagrupar próximo ao terminal rodoviário do Guarujá, onde o rapaz que estava passando mau foi colocado num taxi junto c/ a bike, pois não tinha mais condições de pedalar. Após isso seguimos rumo ao ferry boat

"O guardião". Rs... O Carlos está pacientemente sempre tomando conta do final do grupo.
(Foto e frase: Fernando)
Realmente o Carlos foi um dos poucos do grupo, junto com o Roger e eu, que reduziram o ritmo para acompanhar o rapaz que passou mau, independente do local e do risco que poderia existir!

Plataforma de embarque do ferry boat, com o tempo bem diferente do começo do passeio.

Após a travessia do ferry boat, o grupo acabou se dividindo, pois cada um tomou um rumo diferente e em ritmos diferentes a caminho de suas casas. Eu e o Roger seguimos juntos conversando para São Vicente.

Ao final cheguei um pouco cansado em casa, mas muito feliz!!! Pois foram 67 km de pedal, por asfalto, por trilhas de terra e cascalho com muita pedra solta, algumas subidas... Tudo isso passando passando por lugares cercados por muito verde e uma natureza em estado bruto, para chegar num verdadeiro paraíso!!!

2 comentários:

  1. GRAÇAS A UM PNEU FURADO EU ACABEI CONHECENDO O "FURÃO" DO VINÍCIUS,HEHEHEHEHEHE!!!!!

    ResponderExcluir
  2. É verdade, se não fosse um pneu furado de uma das participantes do grupo, não teria dado tempo de vc nos alcançar...

    Só não concordo com o "furão", pois cheguei no ponto de encontro com pelo menos 5 min de antecedência, e permaneci por lá mais de 10 minutos antes de seguir para o ferry boat, para encontrar o pessoal do Domingo na Bike.

    ResponderExcluir